Livro do Pato Lógico inspira murais em Milão

André Letria foi recebido em festa pelos alunos de uma escola da zona 8 de Milão, um bairro pobre e degradado onde vivem muitas comunidades imigrantes. Não era para menos: as paredes da escola primária Console Marcello e da biblioteca Villapizzone ganharam uma nova vida graças às ilustrações que o artista criou para Se Eu Fosse Um Livro, escrito por José Jorge Letria.

No passado dia 11 de Outubro, o fundador do Pato Lógico foi a Milão para assinar os dois murais, construídos em 2015, e dinamizar uma oficina de escrita e ilustração com alunos de uma escola do bairro que ajudaram na pintura dos murais. Meninos de muitas nacionalidades – chineses, paquistaneses, bangladeshianos, italianos (em minoria) – foram desafiados a pensar e a desenhar o que imaginaram a partir do mote sugerido pelo próprio livro. Um momento de descoberta que os uniu, como se as diferenças entre todos se tivessem esbatido, muito graças ao tom poético, à relação entre texto e imagem e à visão metafórica do mundo que a obra encerra.

Na origem deste projecto, baptizado de Livro em Movimento, esteve a artista italiana Alice Werblowsky, que viu o livro pela primeira vez em 2014, na Feira do Livro Infantil de Bolonha, tendo ficado, de imediato, rendida à história e à qualidade das ilustrações. «É um livro poético, irónico e que transmite a mensagem universal do amor pelos livros e pela leitura», justificaria a também escritora, que decidiu recriar as ilustrações naquele bairro nos arredores de Milão, onde outrora viveram operários da fábrica Alfa Romeo.

Com o apoio da Câmara Municipal de Milão, das Fundações Arnoldo Mondadori e Benedetta D’Intinto, da Feira do Livro de Milão e de outras associações, Alice pôs mãos à obra, contando com a ajuda dos próprios alunos, pais, professores e outros locais que participaram na pintura. O objectivo também era, de resto, fortalecer o sentimento de união e entreajuda da comunidade.

No futuro, além dos dois murais já concluídos, está prevista ainda a execução de pelo menos mais dois (um numa ciclovia e outro num mercado) inspirados na obra portuguesa. No mesmo bairro, foram também erguidos um mural com ilustrações do artista italiano Guido Scarabogolo, um (com cerca de 40 metros) pintado exclusivamente por mulheres artistas e outro com ilustrações feitas por crianças num workshop de ilustração ministrado por Alice Werblowsky – todos relacionados com o tema dos livros.

O Instituto Camões e a Embaixada de Portugal em Itália quiseram aliar-se a esta iniciativa, financiando o restauro dos dois murais (entretanto vandalizados), a viagem do autor e a oficina pedagógica dinamizada pelo ilustrador – que, em Abril deste ano, já tinha estado nesta cidade italiana para assistir à 1.ª edição da Feira do Livro de Milão, a convite da Salani (editora da versão italiana do livro).