Capital é Prémio Nacional de Ilustração

Capital, de Afonso Cruz, vence a 19ª edição do Prémio Nacional de Ilustração.
O júri, reunido na Direção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas, decidiu, por unanimidade, atribuir o Prémio ao conjunto de ilustrações da obra Capital da autoria de Afonso Cruz (título e ilustrações), publicada pela editora Pato Lógico. As duas Menções Especiais foram atribuídas às ilustrações da obra «Lá fora» da autoria de Bernardo Carvalho com texto de Maria Ana Peixe Dias e Inês Teixeira do Rosário, e às da obra «Com o tempo» de Madalena Matoso, com texto de Isabel Minhós Martins, ambos projetos da editora Planeta Tangerina.
Relativamente à obra que mereceu o Prémio Nacional de Ilustração, o júri considera «que se trata de uma narrativa visual, apenas aparentemente linear e lógica, e destaca a dimensão paradoxal e polissémica das suas guardas capazes de estirar a narrativa para além da lógica. Instala-se assim como uma narrativa crossover, aberta a públicos de todas as idades.
A gestão parcimoniosa do espaço gráfico e da paleta cromática concentram a atenção do leitor no dramatismo dos acontecimentos que pontuados aqui e ali por detalhes jocosos de sátira social e política aguçam a avidez de conhecer o desfecho entre a ficcionalidade e a inevitabilidade. Na sua singeleza formal, os leitores acreditam estar a percorrer uma linha unidirecional em termos temáticos, contudo, se leitores atentos, poderemos perseguir linhas de fuga que introduzem temáticas subsidiárias interpelantes para a construção de um pensamento reflexivo e participativo na contemporaneidade: a amizade, o engodo, a cobiça, a ascensão social, a ecologia, a ambição, a traição, a escravatura, a ingenuidade.
por Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas.
Capital conta a história de um menino que recebe um porquinho-mealheiro, de louça, com uma ranhura nas costas para que possa ser alimentado com capital. Com o amor e ternura que o menino lhe dedica, o porquinho depressa se torna um animal obeso, cheio de lucros fabulosos, e com dificuldade em controlar a sua rapacidade. Os anos passam e o porquinho vai crescendo, crescendo, crescendo, e um dia… um dia…
O título pertence à colecção Imagens que contam que surgiu em 2013 como um espaço de liberdade criativa para ilustradores que procuram contar histórias através da sua arte – a ilustração. As regras são simples: há 32 páginas e guardas para contar a história, o título é uma palavra apenas e o logo do Pato Lógico deve ser recriado.