Filipe Abranches

Filipe Abranches nasceu em Lisboa, no ano de 1965. É licenciado em Realização pelo curso de Cinema da Escola Superior de Teatro e Cinema (ESTC).  Professor no departamento de Ilustração/Banda Desenhada do Ar.Co. Foi docente da ESAP/Guimarães entre 2006 e 2008, tendo sido o coordenador do primeiro Mestrado em Ilustração do país. Iniciou a actividade em BD na revista LX Comics no início dos anos 90. É ilustrador do semanário Expresso e publicou ilustrações em diversos jornais: Público, Le Monde (França), O Independente e jornal I. Destacam-se os seguintes álbuns de banda desenhada publicados: História de Lisboa, O Diário de K. e Solo. Com PÁSSAROS, o seu primeiro filme de animação, venceu o prémio Restart de melhor realização no Festival IndieLisboa 2009. Realizou, entretanto, dois outros filmes de animação: Sanguetinta (2012) que estreou no Curtas de Vila do Conde e Chatear-me-ia morrer tão joveeeeem com estreia no Festival IndieLisboa em 2016.

Ilustrou o livro Alexandre Serpa Pinto, o sonhador da África perdida, com textos de Luís Almeida Martins, título da colecção Grandes Vidas Portuguesas, uma co-edição Pato Lógico/ Imprensa Nacional - Casa da Moeda.